Ysolda Cabral em Prosa e Versos

Uma pessoa que chora e ri de alegria, tristeza ou saudade, sem nenhum pudor...

Textos

ADORO SER DONA DE CASA


Tem coisa pior que lavar meias? E quando brancas, saídas de pés suados e com marca de graxa de sapato preto?

Tem coisa pior que abaixar e levantar varal? E, quando as cordinhas escorregam das mãos molhadas e levamos uma bruta lapada na cabeça? Mesmo assim, temos que aguentar a dor e continuar o ritual de estender as benditas roupas!

Ah! Mas tem coisa bem pior... Depois de tudo faxinado, arrumado, aprumado, melhorado, organizado, você vai abrir a geladeira para tomar água ou refrigerante, constata, às duras penas, que quem ali esteve antes de você não tampou direito aquilo que abriu. Se for a garrafa d’agua, menos mal. Se for o refrigerante, que logo se espalha por dentro da geladeira, tomando conta de tudo e depois desce de porta a baixo se espalhando pelo chão? Aí começa a sessão extraordinária de limpeza... Adeus descanso!

No forno está o bolo, quase assado. Ao tirá-lo, surpresa: está solado... É mesmo o fim da picada! O arroz grudou, o feijão não cozinhou direito, a panela de pressão quase explodiu, o botijão de gás acabou e você não sabe trocar. O que fazer? Depois de muito pelejar, você consegue por o almoço na mesa. Aí um pergunta: não tem macarronada não?! Você bem prevenida que é, logo responde: tem sim! É só colocar no microondas... Vai falando e vai executando a nova tarefa. Eis que, ao abrir mais uma vez a geladeira, para pegar o ketchup, com tampa mal fechada, o vidro cai de sua mão, quebra e a exasperação se manifesta... De forma branda, quieta... Você respira fundo, conta até dez e começa a limpar tudo de novo.Controle em pleno funcionamento... Você vai tirando tudo de letra, entre uma limpada e outra.

E o danado do telefone que não pára de tocar? Alguém querendo vender alguma coisa que não lhe interessa... Haja atrapalho!

Você está de cozinheira, arrumadeira, faxineira, lavadeira, lutando contra o tempo. Até por que, você também trabalha fora e precisa sair o quanto antes, para não se atrasar. O telefone toca mais uma vez. Alguém, do outro lado da linha lhe oferece um lote no cemitério, seguro ataúde e lhe diz tratar-se de excelente negócio. “O preço promocional é uma verdadeira pechincha...” - É mole?!

Controle jogado às favas, o verbo apruma na ponta da língua e a voz não sai. A raiva é tanta que você cega, entorta, desanda e se lança a chorar feito criança. Ser dona de casa cansa. Só em lembrar me dá ânsia...

Mas não! Tudo agora é deprê e não sei mais o quê... E você se convence que é mesmo doença séria e corre para o médico.O “doutor”, que não cura as dores, também está de deprê e não sei mais o quê... Fala: seu problema é “olho gordo” ! O meu também, sabia?!

-Tem um fulano que se duvidar, botou meu nome na boca do sapo, amarrou e enterrou, tudo por pura inveja, pra acabar comigo, conta ele... Nada que um bom banho de mar, ao raiar do dia, não cure, não mude... - Recomenda!

É isto aí seu Doutor, a receita prescrita foi aceita, está perfeita! Mas, tem que ser mesmo ao raiar do dia?!
Ysolda Cabral
Enviado por Ysolda Cabral em 15/06/2008
Alterado em 30/11/2008
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras