Ysolda Cabral em Prosa e Versos

Uma pessoa que chora e ri de alegria, tristeza ou saudade, sem nenhum pudor...

Textos

COMUNIDADE DOS POETAS INDEPENDENTES - DESAFIO II
Nota: Não poderia deixar que textos tão belos ficassem apenas no “ universo” do Orkut.  Resolvi trazê-los para cá em homenagem a todos os participantes. Observo que, o meu texto foi escolhido para o 1º lugar por generosidade e bem querer (Rsrs).  Prova da grande alma que tem o poeta. Senão, vejamos:
01.  
MOTE
NAS VOLTAS DO CARROSSEL
PERDI O MEDO DO MUNDO
GLOSA

Num barquinho de papel
Desbravei mil oceanos
E afoguei desenganos
NAS VOLTAS DO CARROSSEL
Fiz do meu dedo um pincel
E com o peito moribundo
Num sofrimento profundo
No coração escrevi:
- Depois que eu te perdi
PERDI O MEDO DO MUNDO.

Nizardo Wanderley
Direitos autorais.
05/09/08
**********
02.
"NAS VOLTAS DO CARROSSEL,
PERDI O MEDO DO MUNDO"

Vou ao carrossel da vida
Repleto de sentimentos
Desde a hora de partida
No rodopio vertiginoso
Os sorrisos e lamentos
Giram tontos e fogosos
Sem arrependimentos

Galopo meu cavalinho
Não sei quando apear
Vivo bem de mansinho
Vento forte nos cabelos
Levados assim ao léu
Perdi todos os medos
Nos giros de carrossel

Nas voltas que a vida dá
Sem direito de reclamar
Vi muitos pássaros a voar
E nas voltas do carrossel
Vivi sonhos em segundos
Juntei os meus no farnel
Perdi o medo do mundo.

Conceição Pazzola
06/08/2008
**********
03.
"DESAFIO”

Sempre tive muitos medos,
pensava que todos tinham direitos.
Direitos de mandar em mim.
Agora sei não é assim...
Sou livre vou para onde eu quiser.
Perdi o medo do mundo.
Vou ver o meu amor!

Ninguém vai me prender
Nada vai impedir agora eu vou

Depois de tantos anos
sei que vou me libertar.
Quando o meu sonho acabar
eu prometo voltar.

Quero sentir o seu corpo
dizer olhando em seus olhos
todo o meu amor por você.
Deus permita não negue
Como fez das outras vezes.

Já chorei a vida toda
de medo de sofrer.
Agora o medo foi embora.
Só ficou a coragem de ver você.
Ainda sou uma criança
vou de carona no carrossel.
Fique olhando para o céu
é por ele que vou chegar
De carona...
é com Deus que vou viajar.
(bety Viotto)
08/09/08
**********
04.
NAS VOLTAS DO CARROSSEL ,
PERDER O MEDO DO MUNDO...

Entrar nesse desafio,
enfrentar cobra criada,
curtir da navalha o fio,
domar verso em disparada;

sentir o frio na espinha,
adrenalina profunda,
e feito galo na rinha
sentir que o sangue inunda

o rosto frio do poeta.
Colocar ponto na rima,
numa abordagem completa.
Nessa mudança de clima,

subir do inferno ao céu,
viver tudo num segundo,
nas voltas do carrossel
perder o medo do mundo.

Clóvis Campelo
09/09/08
**********
05.
AOS OITO ANOS DE IDADE
PERDI O MEDO DA VIDA...

Aos oito anos de idade
saí do meu sertão,
deixei pai, mãe
e também os meus irmãos.

Minha mãe falou:
vai filha... preciso
pagar um grande favor
a esse meu irmão
lá você vai estudar
e ter melhor condição!

Eu peguei uma sacola,
coloquei uma roupinha,
uma chinelinha de arrastão
que muito tempo depois
soube que era da minha irmã.
Rumei pra cidade grande
a vontade era enorme
de ampliar os horizontes.
Assim que cheguei
achei tudo muito lindo
mas foi se passando o tempo
a saudade foi chegando
o coração apertando
nas voltas do carrossel
fiquei com medo da vida

Muito pequena, eu sei
sofri, chorei,
muitas saudades senti
do meu pai, da minha mãe
e também dos meus irmãos
da minha terra querida
nas voltas do carrossel
perdi o medo da vida!

Ainda hoje penso
que se não tivesse sido assim
não seria essa pessoa que sou
desafiando a tristeza,
amargas decepções
nas voltas do carrossel
abracei esse mundão!

Júlia Telles
09/09/08
**********
06.
"NAS VOLTAS DO CARROSSEL..."

Em menos de um segundo
“Nas Voltas do Carrossel
Perdi o Medo do Mundo”...

Foi quando ainda menina
Aprendendo a escutar
Os segredos que o vento
Tanto insistia em me contar...

Era pura e muito tola
Acreditava em fantasia
E tudo o que mais queria
Era ser feliz um dia...

De repente,
Num espelho me olhei
A imagem que eu via
Não parecia que era eu
E a tristeza me abateu...

Constatei,
O passar do tempo
E lhe questionei a razão
Dele ter passado tão depressa
E, Ele...
Nenhuma resposta me deu.

Ysolda Cabral
11/09/08
**********
07.
NAS VOLTAS DO CARROSSEL,
PERDI O MEDO DO MUNDO.

Nas voltas do carrossel
Em meio a tantos pensamentos
A correria do quotidiano, parei...
Por alguns momentos
Questionei ao medo tão dono de si...
Para que tu serves?
E pra mim outra questão pensei...
Qual meu maior medo?
Antes que o medo tentasse me convencer de algo
Respondi...

Temos medo do que não conhecemos
As crianças tão cheias de Deus não te conhecem
Por isso nós os adultos te apresentamos...
Assim tão sério com as frases...

”Não pode”
“Não faça isso”
“Não chores”

você medo é um limite
Que nós inventamos,
Limitamos nossos sentimentos,
E até nossa fé...
Nos escravizamos,
Te damos tanto poder.
Da morte, você não faz parte mais
Meu maior medo era a morte
Perder quem amamos, de saudade sofrer
Dizem sempre
Descanse em paz
Precisamos morrer para termos paz?
Perdi o medo da morte
“Não tenhais medo”
Nos disse alguém muito maior que você...
Jesus!
“É preciso amar as pessoas
Como se não houvesse amanha”
Uma pessoa cantou essa linda mensagem
E com ele aprendi
Que amar é o mais importante...
Às vezes te sinto, sou humana
Mas maior que você em mim
É a vontade de amar
Ser amada
Ser feliz!

Fé e Paz   (by Roseli)
12/09/08
**********
08.
NAS IDAS E VINDAS DO CARROSSEL

Nas idas e vindas no seu corpo,
“Nas Voltas do Carrossel
Perdi o Medo do Mundo”...
Extasiado fiquei
A liberdade experimentei
Aproveitei a minha vida simples de poeta
Solitário por opção, e longe do mundo dos vivos, acordei.

No carrossel da vida encontrei mortos
Mas não fiquei por lá
Nas idas e vindas de nossos corpos
Nas voltas do nosso único carrossel encontrei a Paz
No rodar incessante dele, os meus (seus) olhos brilharam
Rodaram e, por um instante, o espírito saiu do meu (seu) corpo

O grande carrossel aumentou a velocidade em minha retina escura
Já estonteante me tateei em busca de partes do meu (seu) corpo
Envenenado pelo movimento desconcertante me (te) perdi
Encontrei-me - em segundos - cansado, acordado e amado
Leve e perdido no seu (meu) mundo
Achei o nosso e percebi que, lá no cantinho, estava Deus.

Lúcio Alves
12/09/08
**********
09.
NAS VOLTAS DO CARROSSEL,
PERDI O MEDO DO MUNDO

Por Amor...

Quando nesse mundo entrei
Pensei viver num dossel
Com muitos sonhos cheguei
Dentro do meu farnel
Por esse mundo caminhei
Com a doçura do mel
Por ele com gana andei
Nas voltas do carrossel

Pulando cercas e muros
Por pouco não pereci
Muitas vezes dando duro
Por aqui permaneci
Catando pedras no escuro
Foi quando mais padeci
Num imponente enduro
Mas com férrea força venci

Os dias não foram fáceis
Pelos medos que passei
Depois de muito andar
Na esperança me firmei
Aprendi meu caminhar
No intuito me encontrei
O percurso a ultrapassar
Para mim sempre foi lei

Com muita luta e sabor
A tristeza foi vencida
Envolvida pelo amor
Da alegria incontida
Pelo sentimento oriundo
Da batalha arrefecida
Acabou o medo profundo
A vitória conseguida
Perdi o medo do mundo
Por amor a minha vida

Perla Cigana
14/09/08
**********
010.
É DE DÁ DÓ

No Carrossel conheci Maria
Meu coração ela conquistou
Ela era linda
Era tudo o que eu queria

Na primeira volta
Seu sorriso me encantou
Na segunda me enfeitiçou
E na terceira a levei pra casa

Com ela me casei
Fui feliz e me dediquei
Aquela mulher tão sonhada
Tirada das voltas do Carrossel
Para me ser fiel

Um dia em casa cheguei
Não encontrei Maria
Havia ido embora
Sem deixar aviso ou carta
E desolado chorei

Fiquei com medo do mundo
Resolvi então mudar
Para nunca mais chorar
E chorei...

Chorei ao ver Maria
Passar na outra calçada
Com o meu melhor amigo agarrada
E numa agonia de dá dó
Fiquei sem acreditar.

Miguel Soares
16/09/08
**********
011.
DESAFIO

Nas voltas do carrossel
perdi o medo do mundo
Senti num piscar, num segundo
o quanto me consumia em fogo e fel.

Nas voltas do carrossel
perdi a noção do tempo
Fiquei tão só, caí em desalento
Vi traçado para mim um destino cruel.

Nas voltas do carrossel
Vi minhas mãos calejadas
minha face de rugas marcadas,
meu sangue envelhecido em tonel.

Vi girar tudo num dia,
tristeza, saudade, euforia,
tudo o que já me fez tremer jazia
pois, perdi o medo do mundo
nas voltas do carrossel.

Electra Natchios
19/09/08
**********
012.
AINDA CRIANÇA

Nas voltas do Carrossel
Minha mãe sempre me acompanhava
A felicidade era tanta que do mundo
Eu não tinha medo, pois dele nem lembrava
E toda contente, mamãe falava: você vai ficar enjoada
Eu não acreditava!
A felicidade que eu sentia era tanta
Que no meio da multidão de alegria eu chorava
Nas voltas do Carrossel
Minha felicidade encontrei
Fiz dele um sonho encantado
E logo me apaixonei
A cada volta que comigo dava
Eu sempre muito envergonhada e calada
Dizia só para o meu coração:
Amo as “Voltas do Carrossel”...

Elizangela Cabral
20/09/08
**********
013.
“NAS VOLTAS DO CORROSSEL”

Sempre tive medo das voltas do carrossel
Medo do escuro, do pesadelo de menina
Que me levava pra cama de minha mãe
Sempre que vinha fazer do meu sono um escarcéu.

Medos que cresceram comigo
E ainda me acompanham
Neste mundo de meu Deus
Aonde quer que eu esteja ou vá

Sempre fui muito medrosa
E não me envergonho de confessar
Agora mais que nunca me sinto amedrontar
Com este mundo violento
E sem conserto que aí está.

Criança nascendo pra morrer de fome ou matar
Gente morrendo a toa e sem assistência
Saúde, educação, trabalho, moradia e esperança
Pouco há e no “ar” tudo é utopia...

O mundo está de ponta-cabeça
Já dizia meu avô
Quando se anunciou
Que o homem na lua chegou

Vivesse ele agora
Iria me dizer: minha pequena Arileide,
Continue boa filha e paciente
Não tenha medo de nada e confie sempre Nele
Ainda que, nas “ Voltas do Carrossel, Perdi o Medo do Mundo”
E vim para cá, fora da hora e num segundo.

Aril Cabral
21/09/08
**********
014
NAS VOLTAS DO CARROSSEL,
PERDI O MEDO DO MUNDO... "

O EX- AGORAFÓBICO
...e era tão fácil, tão belo, tão veloz;
de repente surgiu do nada,
transformou minha vida em algo atroz;
nos medos guardados, que não sentia,
que não queria ver, não percebia...
...instalou-se, ocupou espaço, sem pedir
sem ser convidada e consentida...

...então a neurose da angústia se alojou;
os espinhos eram tantos...criaram ninhos maldosos,
como a coroa de Jesus...e

" quem quer que desejes,
nessa manhã de luz,
respirar essa luz, gozará muitos sonhos,
viverá muitas vidas,
olhará para o céu
e verá todo céu...
o vento entre folhas,
desfilando canções,
tocará corações...
tanta dor recolhida,
pelo pó do caminho,
mais espinhos...espinhos,
pobres aves sem ninhos
pelos dia e noites,
muito longe, cansadas,
pobres sonhos, sozinhos...

...e a "abelha" veio...
me senti muito feio,
me senti renascendo,
mas embora querendo...
a "abelha" se foi...

enfrentei o fantasma, numa viagem,
venci os receios...zumbindo,
girando, apalpando, sorrindo, chorando...
renasci no inverno, do inferno profundo..
e...então, perdi o medo do mundo!

hehehe, agora faço tudo,
que por tempos deixei de fazer;
não bebo mais...
não fumo mais...
Só então percebi, que deveria, há tempos:
"Ter deixado o barco... então correr!..."

Inibido Matias ( Enildo )
22/09/08
**********
015.
NAS VOLTAS DO CARROCEL

Fruto do grande enigma
Com a mente sem coisa nenhuma
Fui lançado sem escarcéu
Nas voltas do carrossel

O bem e o mal ignorando
Vi o mundo surgir com naturalidade
E na própria ingenuidade
Perdi o medo do mundo

Mas a idade da razão
Trouxe muita assombração
E também um receio deplorável
Nas voltas do carrossel

Meu coração bateu demais
Do peito saiu pulando
E a chorar de pavor não mais
Perdi o medo do mundo

A juventude a sonhar alto
Escrava da aventura irresponsável
Jogou os temores no firmamento
Nas voltas do carrossel

Com bravura e coragem
Por caminhos loucos fiz viagem
E desvairadamente ousando
Perdi o medo do mundo

O tempo me deu cautela
E construí uma estrada bela
Ao encontrar um amor admirável
Nas voltas do carrossel

A posse nos outros já pensando
Inseguro das perdas contumaz
Descontrolei-me e não mais
Perdi o medo do mundo

Agora
Giro
Nas voltas
Do carrossel
Perdido
Com medo
Do mundo

Cyla Dalma
23/09/08
*********



Ysolda Cabral
Enviado por Ysolda Cabral em 10/10/2008
Alterado em 10/10/2008
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras