Ysolda Cabral em Prosa e Versos

Uma pessoa que chora e ri de alegria, tristeza ou saudade, sem nenhum pudor...

Textos

SONETO EM HOMENAGEM AO DIA DOS PAIS


No dia dos pais, uma homenagem ao meu - Alírio - com um soneto do pai dele. Meu avô, meu ídolo, meu amigo, meu fã, meu admirador mais fiel. - Como ele estaria feliz com a publicação do meu livro!

Infelizmente, já não está entre nós.
Se foi em 25 de setembro de 1976, aos 76 anos.

Obs.: A escolha do soneto,  me ative ao gosto de papai.  

**********

MEU EPITÁFIO
DE: FIRMINO FILHO


Aqui descansa deste mundo ingrato
um poeta qualquer, um vagabundo...
que aos outros tinha ódio profundo,
embora fosse um eterno caricato.

Mas afinal morreu; morreu de fato.
Foi desgraçado, miserável, imundo;
do vicio torpe e vil foi oriundo,
e por aqui começa o seu retrato:

Não teve luz na vida e nenhum brilho;
entre canalhas foi também canalha
e enganou a gregos e troianos;

Nasceu, viveu, morreu fazendo planos...
e através ás cinzas da mortalha
ainda pensa ser – FIRMINO FILHO -.


*********

Observo que, ele não era nada disso!  Era pura poesia, sentimento e a humildade personificada. Não tinha nem coragem de repreender um filho “cara-a-cara”! Só fez isso por mim  uma vez, quando mamãe lhe contou que papai havia me dado umas palmadas. - Ele repreendia os filhos por carta!!

- Seu vício: fumar debaixo do cobertor. (Rsrs)

**********

Então é isso: a todos os pais, um dia feliz!  

Ysolda Cabral
Enviado por Ysolda Cabral em 09/08/2009
Alterado em 09/08/2009
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras