Ysolda Cabral em Prosa e Versos

Uma pessoa que chora e ri de alegria, tristeza ou saudade, sem nenhum pudor...

Textos

AFERIÇÃO POÉTICA IV - LUGANO & YSOLDA
SONETO EM AGRURAS

Como quem canta dores... Eu canto.
- São versos tristes e amargurados -
É como fosse um canto amaldiçoado,
De angústia; Tristezas; E desencanto.

Nasce dentro de mim... E em pranto,
Faço-o, à luz de versos, confessado.
É como algo em mim... - Agoniado -
Que busco encontrar e não encontro.

Mas assim, inda assim, vou cantando
Tentando achar em mim, procurando
O que eu não sei ao certo em buscar.

Mas que é preciso seguir buscando,
Tentando, dentro de mim...Tentando
Tentando definitivamente encontrar.

Lugano

**********

SONETO EM INTERAÇÃO


Enquanto o poeta canta dores... Choro.
Seus versos cantados são amargurados  
Que, mais parecem meus... Então lhe rogo:
- Ah! Por Deus, não me exponha deste modo.  

Trago tristeza, desencanto e eu canto,
Pois há em mim um amor desesperado
Que, deve ser urgentemente liquidado,
Nem que pra isso tenha que morrer de fato.

Contudo sonho e às vezes confesso;  
O desejo de ser flor e sem espinho,
Pra perfumar a alma do meu amado.

E, com franqueza de quem não sabe mentir,  
Jurando por tudo e sem medo de ir:
Prefiro sofrer a nunca ter amado.

Ysolda Cabral
Enviado por Ysolda Cabral em 19/12/2009
Alterado em 28/06/2011
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras