Ysolda Cabral em Prosa e Versos

Uma pessoa que chora e ri de alegria, tristeza ou saudade, sem nenhum pudor...

Textos


 

 

 

MARIA GADÚ X CAE – GRANDE DUO!

Por: Ysolda Cabral

 

 

 

 

Ontem fui ao Teatro Guararapes, no Centro de Convenções, assistir ao “Duo”, acima em tela.

 

Antes de comentar o respectivo show e já adiantando que foi espetacular, gostaria de registrar minha surpresa e tristeza por encontrar o teatro em péssimo estado de conservação. 

 

- Gente do céu, aquele espaço era belíssimo e muitíssimo bem cuidado... ! 

 

- O que será que aconteceu?!!

 

Enfim...

 

Fiquei encantada com a Maria Gadu, (23 anos) eu e muitos dos que estavam ali e que ainda não a conheciam tão bem, quanto à moçada.

 

Compositora, musicista (dedilha o violão como há muito tempo eu não via ninguém dedilhar) cantora de extraordinário talento, a qual nos transmitiu simplicidade, meiguice e momentos inesquecíveis de pura beleza e poesia. 

 

Cantou várias músicas suas e de outros compositores, inclusive do Cae. E, para nos cativar ainda mais, nos presenteou com a belíssima canção “Ne Me Quitte Pas” do compositor Jacques Brel, num francês fluente, belo e perfeito.

 

(Ao término desta, fiz questão de transportar do site especializado à letra traduzida da respectiva canção.)

 

Quanto ao Caetano, apesar de na sua nova música afirmar que se odeia por estar velho, está muito melhor que antes. Ele não era nem bonito e agora está!  Também era “dado” a umas “boiolices preguiçosas”. Achei que elas diminuíram e fiquei na dúvida se achava bom ou ruim... (Rsrs)

Quanto ao artista, ao seu encanto, ao seu talento e a sua voz;  estão mais bonitos, profundos e mais aprimorados que nunca.

 

E, como era de se esperar, com a humildade dos grandes, concedeu um espaço maior para sua “pupila”, a qual retribuiu a altura lhe deixando repleto de orgulho, fato facilmente observado por todos nós. 

 

Contudo, a noite teve um “ponto baixo e desafinado”: eu. Eu, sim senhor!!   

 

- Culpa da Maria Gadú  que não perdia a oportunidade de “agarrar” e beijar o meu ídolo.

 

- “Oxe”, que coisa!!!!  Pra que tanto?!!!!!

 

Fiquei a matutar se o que eu estava sentido era ciúme ou inveja da garota.

 

Hahahahahahahahahaha

 

A noite foi muito legal. Adorei!!!!

 

**********

 

 

Não Me Abandone (Tradução Vagalume)

De: Jacques Blel

 

Não me abandone, é preciso esquecer,

Tudo se pode esquecer que já ficou pra trás.

Esquecer o tempo dos mal-entendidos

E o tempo perdido a querer saber como

Esquecer essas horas que às vezes mata

A golpes de por quês, o coração de felicidade.

 

Não me abandone,

Não me abandone,

Não me abandone

 

Eu te oferecerei pérolas de chuva

Vindas de países onde nunca chove;

Eu escavarei a terra mesmo depois da morte,

Para cobrir teu corpo com ouro e luzes.

 

Criarei um país onde o amor será rei,

Onde o amor será lei

E você será a rainha.

 

Não me abandone,

Não me abandone,

 

Não me abandone, eu te Inventarei

Palavras absurdas que você compreenderá

Te falarei daqueles amantes

Que viram de novo seus corações excitados

Eu te contarei a história daquele rei,

Que morreu porque não pôde te conhecer.

 

Não me abandone,

Não me abandone,

Não me abandone,

 

Quantas vezes não se reacendeu

O  fogo do antigo vulcão

Que julgávamos velho?

 

Até há quem fale de terras queimadas

A produzir mais trigo na melhor primavera

É quando a tarde cai, para que o céu se inflame

O vermelho e o negro não se misturam

 

Não me abandone,

Não me abandone,

Não me abandone,

 

Eu não vou mais chorar

Não vou mais falar,

Me esconderei aqui

Só para te ver dançar e sorrir,

Para te ouvir cantar e rir.

 

Deixa-me ser a sombra da tua sombra?

A sombra da tua mão?

A sombra do teu cão?

 

Não me abandone,

Não me abandone,

Não me abandone,

Não me abandone.

**********

Publicado no blog " Apenas Ysolda-II "

http://cronicasysoldacabral.blogspot.com/



 

Ysolda Cabral
Enviado por Ysolda Cabral em 10/12/2010
Alterado em 10/12/2010
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras