Ysolda Cabral em Prosa e Versos

Uma pessoa que chora e ri de alegria, tristeza ou saudade, sem nenhum pudor...

Textos




 
















AGOSTO SEM DESGOSTO
De: Ysolda Cabral
 


 
Com o coração transbordando amor e muita vontade de querer ser uma pessoa melhor, paro e me enterneço com os Ventos de Agosto e chego à conclusão que preciso rever alguns conceitos urgentemente.  
 
Para começar vou fazer um projeto pra seguir a risca, sem me desviar nem um milímetro sequer. Nesse projeto, o mês de Agosto tem prioridade absoluta. Talvez assim eu consiga me redimir das injustiças cometidas com um mês que, dentre os doze, com certeza é o mais bonito.  
 
Seus Ventos refrescam o dia; animam as ondas do Mar...   E quando a chuva cai, eles ajudam a distribuir a água pelas plantações de forma justa e igual.
 
- Ah, os romanos me perdoem, mas que no mês de Agosto, tudo fica mais limpo, mais saudável e mais bonito, fica sim!
 
Chega de crendices populares, apesar de a gente perceber que no mês de Agosto tem magia, porém magia boa, do bem, a qual só acrescenta mais colorido à Vida.
 
Mais uma vez comprovo que o amor adora nos confundir e surpreender...
 
Minhas próximas metas serão rever as crendices relativas ao gato preto, a sexta-feira treze e a minha cisma com as pérolas.

 
**********
 
Curiosidade:
 
''O mês de agosto é popularmente conhecido como o mês do desgosto. É difícil afirmar qual a origem exata desta crendice. Sabemos, no entanto, que foram os romanos quem deram este nome ao oitavo mês do ano, uma homenagem ao imperador Augusto. Os próprios romanos naquela época, já acreditavam no mau agouro deste mês, período em que uma criatura horripilante cruzava os céus da cidade expelindo fogo pelas ventas.
 
É no mês de agosto, especificamente no dia 24, que se comemora o martírio do apóstolo São Bartolomeu (Natanael). As milhares de conversões ao cristianismo que ele promoveu na Armênia provocaram a inveja dos sacerdotes locais, fato que motivou sua execução; primeiro lhe tiraram a pele e depois o decapitaram. (em 24 de agosto de 51 d.C').''

 
http://www.sobrenatural.org/materia/detalhar/8989/agosto_o_mes_do_desgosto/
 

PARTÍCULA DIVINA
 Adria Comparini
 

 Enquanto vou saboreando
O gostoso doce Sírio
Sinto que vou relembrando,
nossa infância, belo lírio...
 
Vossa figura serena,
 vosso apoio, vosso amor...
Tempo que com uma pena
 escrevia lições e louvor!
 
 Vou então agradecendo
 a pizza gostosa, o doce de figo
 De nós nunca esquecendo,
 em vosso retorno ao abrigo...
 
 Sinto pai, tanta saudade...
 daquele leite de espuminha,
 nas noites frias de Piedade,
 ternura na canequinha.
 
 E na adolescência incerta,
 a proibição de fumar,
 o conselho, o alerta
 orientação no caminhar...
 
 Quanto amor, quanto respeito,
 devemos ao senhor, pai amado,
 Saindo cedo do leito,
 para o trabalho suado...
 Nesta "ida-de" de nossas vidas
 Terceira a vossa, segunda a minha,
 páginas e páginas vividas;
 relíquias bordadas a linha...
 
 Penso que agosto é mesmo
 o mês perfeito, ideal
 não escolhido a esmo
 para homenagem real.
 
 Tantas vidas chegaram
 neste frio mês de agosto
 que tudo então transformaram
 deixando um sorriso no rosto!/
 
Apesar da secura do vento,
 a natureza sensível
 Doura os ipês, traz alento
 e torna a natureza incrível!
 
 Hoje em vossa casa chegando
 ao me trazer o café,
 sinto meu peito inundado,
 de amor a Deus e de Fé!
 
 Sei agora, meu pai amado,
 o que significa para nós:
 Seis filhas, o amor coroado,
 parte de Deus, que sois vós!
 
**********

AGOSTO
HICS


 
A. vida segue em frente
G. ente que chega, gente que vai
O.bservando, fico ciente
S.em o meu povo, sem seu clamor!
T.emeroso só digo: Ó xente!
O. meu coração vive de AMOR!

**********


Leonino por nascença, envolto pelos Ventos de Agosto evocados pela poeta de covinhas no rosto, Ysolda Cabral:

VENTOS DE AGOSTO
 Odir Milanez 

Ventos vivenciais, ventos de agosto,
 que vão e voltam vagos de vestais,
 ventos que vestem rugas no meu rosto,
 no perpassar de cada ano a mais.

 Ventos de agosto em voos siderais
 a me trazerem traços de sol posto,
 às vezes modulando madrigais,
 vertendo-me da vida um novo gosto.

 Ventos parceiros, ventos pontuais,
 que me mantêm sempre predisposto
 a superar senões sentimentais!

 Ventos venais que vêm, a contragosto,
 vozeando vozeiros viscerais,
 Ventos vivenciais, ventos de agosto!

 JPessoa/PB
 15.08.2012
 oklima 

Beijando abraços, Odir Milanez


Obrigada! 
Nobres e talentosos poetas 
pelos belíssimos comentários interações. 
Eles ficarão guardados  para  sempre, 
na minha alma e no meu coração.
Ysolda Cabral
Enviado por Ysolda Cabral em 15/08/2012
Alterado em 28/08/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras