Ysolda Cabral em Prosa e Versos

Uma pessoa que chora e ri de alegria, tristeza ou saudade, sem nenhum pudor...

Textos

images?q=tbn:ANd9GcQPXMMwHmKHazfWcFD8YEj

AI QUE SAUDADES DE MADALENA...
Ysolda Cabral



 
Por um bom tempo “Madalena” foi minha companheira de todas as horas. Se a tristeza me abatia corria pra ela, e, juntas, botávamos o pé na estrada, sem destino e a qualquer hora. Não havia tempo ruim pra gente. Disposição pra viajar não nos faltava. O dinheiro, sempre muito curto, era o problema, mas nada de muito significativo. Éramos econômicas, harmônicas e sem pressa alguma. Aqui e acolá parávamos para renovar as “baterias” e seguíamos viagem.     

Nunca tivemos atropelo algum. Nosso “casamento” era perfeito. Até que resolvi trocar “Madalena” por um “Príncipe Encantado”, bonitinho e ordinário.
 
Toda manhã não queria sair de casa, de jeito algum, e, nas manhãs de inverno, o inferno era maior. Eu fazia de tudo pra ele querer sair  e nada. Quando cismava, cismava mesmo. A confusão era tanta que terminávamos por acordar toda a vizinhança.

Nossa “convivência” foi ficando cada vez mais desastrosa difícil de ser apaziguada e eu resolvi me separar dele definitivamente. Porém, como ele, além de tudo era "alcoólatra", essa separação não seria nada fácil. Depois de muito pelejar, uma amiga psicóloga resolveu investir naquela relação e o tirou de mim. – Que alívio!!!

Resolvido o problema logo arranjei um novo companheiro, e, mais outro e mais outro, até que cheguei num bem novinho e disposto, mas quem já não tinha mais tanta disposição era eu.

Quanto a minha querida e adorada “Madalena” deve ter ido parar nas mãos dos “Mamonas Assassinas”, se tornou amarela e depois do lamentável ocorrido, nunca mais tive notícias dela.

Ai que saudades de “Madalena”! (Rsrs) 


 
**********


Atenção Sra. Leitores! 

Republiquei a crônica acima por solicitação de alguns amigos. No entanto, recebi alguns e-mails me questionando quem era afinal Madalena. Ora, na crônica só falo dos carros que tive e o melhor de todos foi Madalena – uma Brasília 1974. O Príncipe Encantado – alcoólatra por que era movido a álcool – foi um Chevette 1980, que, para funcionar, no inverno, precisava ser aquecido. Então eu pegava uma chave de fenda, na ponta enrolava uma bucha, umedecia com álcool e  com o fósforo acendia. Então, retirava a tampa do distribuidor, e com a tocha improvisada, aquecia a respectiva, inclusive, fazia o mesmo com os cabos de velas. Só assim o bicho pegava.

Acho que eu teria que reescrever esta crônica, mas estou com preguiça. Hahahahaha

**********

Comentário digno de destaque

 

18/03/2014 16:16 - oklima
Álcool em chamas na carapuça e nas unhas de teu Príncipe Encantado, para que ele levantasse o fogo e te levasse às andanças de teus desejos, chegaste a tal ponto, poeta Ysolda! Pobre chevete! Tampa do distribuidor e cabos de vela alcolizados pelo requeime para poder sair do tonhonhom, qual tosse teimosa tomada de frio. Bem feito! Quem mandou ditar ao desprezo a meiga Madalena? Apesar da crítica, fico contigo e não abro, nem mesmo para um Bugatti Veyron Supersport! Beijos, Odir

 

Ysolda Cabral
Enviado por Ysolda Cabral em 18/03/2014
Alterado em 18/03/2014
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras