Ysolda Cabral em Prosa e Versos

Uma pessoa que chora e ri de alegria, tristeza ou saudade, sem nenhum pudor...

Textos

 
Recife, 22 de maio de 2014.

 
Senhores recantistas,

 
É com muita tristeza que registro a minha despedida deste site. Alguns hão de dizer: De novo?  Pois é! De novo. Só que agora a saída é definitiva. É verdade que algumas vezes tentei ir e até fui para logo estar de volta. Cheguei, inclusive, umas duas vezes, a ir embora levando todo o meu acervo, decepcionando muitos amigos preciosos que aqui fiz e que nunca me perdoaram a atitude. Não lhes tiro a razão. Compreendo e nenhuma mágoa eu guardo. 

Entretanto, desta feita, nada levarei a não ser a saudade de cada um de vocês, acreditem!

E o que me faz tomar esta decisão é questão de foro íntimo, mas posso assegurar que não tenho mais a mesma necessidade de escrever como dantes, nem motivos, nem vontade e nem inspiração. Escrever, por escrever, somente para ficar em evidência ou por vaidade, não é da minha natureza. Além do que, competição nunca foi a minha praia. Talvez por mera covardia. Quem vai lá saber!...

Mas o fato é que estou indo e não poderia ir sem avisar, sem me despedir e sem agradecer. Para muitos já fui tarde.  Eles estão com a razão, talvez sim, talvez não sei...  

De qualquer forma quero agradecer, a cada um de vocês, pelas leituras, pelos comentários e mensagens de amizade, de apoio, de incentivo que me destinaram desde que aqui cheguei em 01.06.2008, com um poeminha intitulado ''APENAS FLOR'', reeditado várias vezes e hoje, novamente, fazendo o fechamento desta despedida.

Claro que não poderia deixar de fazer um agradecimento especial a todos que interagiram com a minha ''poesia'', especialmente ao meu Poeta querido Odir Milanez da Cunha – Oklima, o qual desde o primeiro momento que li um soneto seu, o reconheci como um dos maiores poetas da atualidade e não me enganei. Com ele só aprendi e cresci como escritora e poetisa. ( Abro um parêntese  para esclarecer aos corações Oklimanos que, o nosso envolvimento não passou do âmbito da poesia. Continuamos livres, leves, soltos e castos. Pelo menos eu, com certeza! (Risos) Então poetisas, sosseguem! O Poeta continua de vocês! Cuidem bem dele.)

Obrigada às minhas queridas amigas poetisas e escritoras, - pela ordem alfabética, esperando não esquecer ninguém: Adria Comparini, Ana Bailune, Ana Campos, Ana Flor de Lácio, Ana Lúcia Gadelha, Angélica Gouvêa, Ariadne Cavalcanti, Atiz, Beth Joy, Vera Feliz, Betina Marcondes, Ceiça, Cellyme, Clara Luna, Cle, Conceição Gomes, Conceição Bentes, Dalva Lúcia C Oliveira, Dilce Nery Toledo, DTL Gonçalves, Doce Val, Doce Vita, Dulcie, Edidanesi, Edna Lopes, Esther Lessa, Esther Ribeiro Gomes, Eudalia Alves Marins, Fernanda Xerez, Flávia Angelini, Gilvania do Monte, Giustina, Helenna Dinniz, Ignez Freitas, Irlene chagas, Ísis Dumont, Jeane Diogo, Jennifer Melânia, Lanna Agda, Kathlleen Lessa, Lani (Zilvani Célia), Lennapena, Letranda, Lianatins, Liduina do Nascimento, Lu Genovez, Lucia Constantino, Luciana Araruna, Luna di Primo, Maducar, Maria Aranilda de Araújo, Maria do Céo Correia,  Maria do Socorro Costa,  Maria Helena Mendonça Quinhones, Maria Mendes,  Maria Paz,  Madalena de Jesus,  Mary Jun, Milla Pereira, Mírian  Warttusch, MLuiza Martins, Nana Okida, Nina Costa, Norma Aparecida Silveira Moraes, Sarah Aline, San Cardoso, Sil Castilho, Simplesmente Romântica, Sirlene Rosa, Sonya Azevedo, Suely Ribela, Tania Menezes, Teca, Zemary.  

E aos meus queridos amigos poetas e escritores – também pela ordem alfabética, esperando não esquecer ninguém: Alkas, Alves Poeta, Amantino, Anselmo Portela,  Antonio Cabral, Antonio Fernando Ribeiro, Antonio Fernando, Antonio Laurentino Sobrinho, Arthur Ghuma, Beto Bp, Chico Mesquita, Christiano Nunes, Dilson Poeta, Djalma CMF, Domfiusa, Duda Menfer, E. Mathias, Eemanuel, F Santos, Facuri, Felipe F Falcão, Fernando Freire, Fernando Tanajura, Gajo Costa, IGS, Ilmar, Isaac Wender, Ivanildo Nunes, J Coelho, James Assaf, Jacó Filho, Jerônimo Madureira, JFeitosa, Joel de Sá, Jorge de Oliveira, JRoberto Jun, Leandro Del Tedesco, Lucas Santos, Lúcio Alves de Barros, Luiz Moraes, Luzirmil,Mago Gelson,Marcelo Braga, Márcio Buriti, Mário Feijó, Maurélio Machado, Maurício de Oliveira, Miguel Jacó, Moacir Rodrigues,Nathalicio,Nelson D Paula,Obery Rdrigues, Pacomolina, Puatalóide, Roselves Alves, San Moreno, São Beto, Silvanio Alves, Tomás Santos, Toninhobira,Tony Bahia, Tristão de Alegrette, Valdo Santos, Vantuilo Gonçalves, Wramos, Yamanu.

Muitíssimo obrigada a todos vocês, bem como aos que fazem a adminsitração deste RL, com tanta competência e  responsabilidade para com a obra do autor.

  
APENAS FLOR
Ysolda Cabral
 
Hoje sou apenas Flor
Uma Flor qualquer
Nascida em qualquer lugar
Não tenho nome
Não tenho cor
Mas tenho beleza
Sou delicada e bem faceira
Meus espinhos são feitos
De goma elástica
Para não machucar
Apenas jogar longe
Quem de mim se aproximar
Meu perfume se espalha
Por todos os lugares
E se você fechar os olhos,
Respirar bem fundo
Sentirá minha fragrância
E ficará a mercê dela
Por que hoje sou Flor
Flor que não serve para nada
Só para homenagear O AMOR.
 
*****

E lá vou eu cantorolando praia afora...


caminhando%5B1%5D.jpg











 
 
 
 

10297562_746141918738566_251307822382875 Vera Feliz

Carinhoso presente poesia, recebido via Face Book, em 24.05.2014, da Poetisa e Escritora Vera Lucia Pimentel (Vera Feliz) que me deixou em júbilo! Claro que  fiz questão de trazê-lo para cá, em agradecimento à essa querida amiga. E ela diz assim de mim: (Risos) 

Quando Ysolda disse adeus
calou o Recanto de espanto
parecia ser o fim de um canto
e calaram até os versos meus.

Quando Ysolda quis ir embora ,partir...
trilhar novo rumo,outro caminho
na despedida um sorriso,um carinho
e eu quis dizer a ela pra não ir

Mas ela tem que seguir seu coração
e voar em outros jardins,borboletar
sei que não vai nunca abandonar
aqueles que lhe tem afeição

Quando Ysolda disse Adeus...adeus
calou muitos versos...até os meus...! 

**********

Claro que eu não vou abandonar uma amiga assim tão carinhosa e muito, muito talentosa. Beijo agradecido, Ysolda.


**********

E mais um presente poesia que não poderia deixar de estar aqui, recebido da grande Poetisa e Escritora Ísis Dumont,minha amiga querida, o qual me deixou muito emocionada e muito grata. 
 

?id=573617&maxw=495&maxh=660

(A "Flor" )
A "Rosa"

Y.ou chegou devagarinho, pisou na passarela bem de levinho,
s.emeando timidamente e com classe, palavras, emoção e sentimentos
o.rgulhosamente sentisses o prazer, a alegria da receptividade.
l..er-te foi e será sempre um deleite para os que te amam/admiram,
d.eterminação, fé, amor e persistência nunca te faltaram,
a. sensibilidade d'alma e do coração nos contagia em tua bela escrita.

C.omo não te amar e não apreciar teu "arsenal" poético/literário?
a.prendemos de ti  a amar mais a vida e que os sonhos valem a pena..
b.endito seja para sempre o amor e o encontro que te fecundou,
r.endo-me à beleza e à criatividade de seus versos plenos de amor e paixão,
a.utodenominada: "Apenas Flor", que eu chamo de "Rosa"uma espécie,
l.evaste saudade e deixaste: mais que teu acervo,a essência de tua alma.
 
 
rosa056.gif

Falar sobre Ysolda Cabral é fácil e difícil, simultaneamente. É fácil porque sua escrita é leve, clara, transparente, banhada pelas águas cristalinas do amor e da sabedoria que todos nós aqui pudemos testemunhar. Difícil porque se torna impossível descrever em uma simples Homenagem, que ocupa apenas uma página, o essencial sobre essa poetisa/escritora maravilhosa!! Nem se fosse um livro não seria suficiente para expressar o que "dela"  mereceria ser dito! Sua saída anunciada subitamente foi uma grande surpresa para mim e acredito para muitos aqui. Entretanto, vale ressaltar que o melhor "dela" ficou em nossos corações e no RL. Nossa amizade há que se estender amanhã, depois e até depois da vida... Agradeço por você fazer parte da minha vida e pela amizade que me faz sentir como se fosses  minha "irmã"... Deixo aqui esse belíssimo poema de autoria da mesma, o qual inspirou-me este singelo Acróstico.
 
APENAS FLOR
(Ysolda Cabral)
 
Hoje sou apenas Flor
Uma Flor qualquer
Nascida em qualquer lugar
Não tenho nome
Não tenho cor
Mas tenho beleza
Sou delicada e bem faceira
Meus espinhos são feitos
De goma elástica
Para não machucar
Apenas jogar longe
Quem de mim se aproximar
Meu perfume se espalha
Por todos os lugares
E se você fechar os olhos,
Respirar bem fundo
Sentirá minha fragrância
E ficará a mercê dela
Por que hoje sou Flor
Flor que não serve para nada
Só para homenagear O AMOR.


images?q=tbn:ANd9GcR-GslaQVqUf3vETCPkxkx

 
PS.: Ao concluir este texto, tive conhecimento de que nossa amiga querida Ysolda está de volta ao Recanto. Entretanto, eu sou do tipo que, quando se "produz" para ir a algum lugar, seja uma festa ou viagem, não desisto, exceto se for algo grave rs, obviamente faço isso planejado, nada (viagens nem festas) intempestivamente rs. Por isso, decidi publicar mesmo assim rsrs! Peço "desculpas" aos meus leitores, se acaso discordarem de mim rs.
 

********** 
Ah, minha amiga Ísis! Como deixar tudo isso para trás?

Emocionadíssima, apenas digo: OBRIGADA!  

Ysolda Cabral 

****************************************************

Para acessar as Escrivaninhas das Poetisas Vera Feliz e  Ísis Dumont, é só clicar em seus nomes acima.

 
Ysolda Cabral
Enviado por Ysolda Cabral em 22/05/2014
Alterado em 03/06/2014
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras