Ysolda Cabral em Prosa e Versos

Uma pessoa que chora e ri de alegria, tristeza ou saudade, sem nenhum pudor...

Textos

dormindo+mandando+mensagem.jpg


AMADA, HELZINHO  E A OPERADORA DE CELULAR
Ysolda Cabral  
 


Cedinho da manhã Helzinho viajou a trabalho, prometendo ligar, impreterivelmente, todos os dias. Amada ficou triste, sentindo-se sozinha e muito preocupada, uma vez que ele havia viajado de avião, apesar da previsão de mal tempo. Contudo, independente da cor do céu, o fato era que ela não gostava desse meio de transporte.

Ainda bem que logo teria notícias dele - respirou aliviada. Afinal, havia tido o cuidado de pedir que mudasse o plano do celular para um que lhes desse condições de falarem sem gastos adicionais.

A viagem, considerando o trajeto e mais o tempo de pegar a bagagem, levaria umas seis horas, aproximadamente. Amada, precavida, carregou o seu celular e enviou uma mensagem para todos os seus contatos avisando que, caso precisassem lhe falar, que o fizessem através de sua linha convencional. Feito isto, sentiu-se mais tranquila e se pôs a esperar pela fala daquele aparelhinho, como se a sua vida dele dependesse.

“Como o Tempo é lento em seu caminhar nessas horas de agonia extrema!”- considerou Amada. “E como dói ficar longe e sem notícias da pessoa que a gente ama!”

Sobre a prateleira da estante, à sua frente, um relógio arredondado, ridicularmente retratado com cara de sorriso de sol, persistia em lhe piscar um tique-taque preguiçoso e debochado.

- Quer parar de me provocar? Você é um relógio muito metido! É bom que saibas que relógio que atrasa não adianta! Ele logo estará ligando para mim! E sabe o que mais? Ninguém liga pra você!

Amanda parecia haver endoidecido de vez, discutindo com os relógios: “E você, seu celular inútil e idiota, por que não toca?!”

A contradição era que o relógio andava sem dizer para onde, e o celular, parado, somente assobiava, sem ligarem que já era noite e Amada continuava sem notícias.

Naquele dia não fez absolutamente nada, a não ser esperar que o seu celular tocasse algum  chamado. E nem na noite e nem no amanhecer do dia... Claro que o avião não tinha caído e nem sido sequestrado. Nenhuma notícia sobre acidentes aéreos tinha sido veiculada em nenhum jornal escrito ou falado, até então.

Descartado o pensamento de acidente aéreo, Amada chegou à conclusão que Helzinho a tinha trocado por outra muito mais interessante. Essa conclusão a deixou completamente apática e sem motivação para se levantar da cama. Sentiu-se doente, muito doente... Preocupada, pegou o celular e ligou para o seu médico. Ninguém atendeu. Quase que no mesmo instante ele toca. Era Helzinho, aos gritos, perguntando a razão de seu celular estar desligado:

- Não está! 

- Está sim!!!!!!

- Não estáááááááááááááááááá! 

- Você ligou ele agora!!!!!!!!

- Não foiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii!

- Foi, sim! Estou ligando para você porque recebi, há quinze segundos, a mensagem da operadora: “Ligue agora, eu já estou disponível”! E você jurou jamais mentir para mim!

- É mentira dela!!!!

- Não é!!!!!!

- Eu vou lá agora mesmo!!!!

- Não vá! Fique comigo um pouquinho, que estou morrendo de saudades de você, Amada minha!!!!

- E eu de você, Helzinho!!!!

 
***********
 
Fazer o quê? O amor é mesmo assim: inexplicável, singular e inebriante!

Praia de Candeias,
11 de setembro de 2014
Ysolda Cabral
Início de noite chuvisquenta,
e ouvindo o silêncio do celular.


 
Ysolda Cabral
Enviado por Ysolda Cabral em 11/09/2014
Alterado em 10/08/2016

Música: Ao Telefone Isabella Tani - Desconhecido

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras