Ysolda Cabral em Prosa e Versos

Uma pessoa que chora e ri de alegria, tristeza ou saudade, sem nenhum pudor...

Textos

11889425_882687181801797_118800050780040


APENAS EU
Ysolda Cabral  
 

Precisava arrumar a minha “casa”
Para entrar nessa nova viagem.
Deixando tudo organizado
Sem deixar nada de errado.
 
Achar lugar para guardar tudo,
Não foi fácil de encontrar.
Como por exemplo, a juventude que
Guardei no recipiente da lembrança
Bem fechado e em local arejado
Para noutra ocasião usar.
 
Os sonhos, as fantasias e as quimeras
Meus “bibelôs tri-gêmeos” mais ricos e preciosos
Os levei para o mar e lá os deixei para as Sereias
Se enfeitarem em noite de lua cheia.
 
A beleza, a vaidade nunca admitidas
E os desejos efêmeros
Joguei na lata do lixo dos supérfluos sentidos
Sem relutar e sem remorso
Confesso até que, com certo alivio.
 
A esperança,
Deixei na varanda de minha “casa”
Para quem quiser com facilidade levar
Sem precisar de ninguém ter que roubar.
 
Na minha bagagem levarei apenas eu
Vazia, sozinha, repleta do nada
Contudo com pés firmes na estrada
Por onde não passa o “Transporte Poesia”
Todavia por mim passa
A certeza de querer voltar um dia

Para a mesma minha morada.

**********
Praia de Candeias-PE.
Entardecendo o sábado
21.08.2015
Apenas Ysolda 
fugindodocontexto.blogspot.com


Para escutar a música de fundo, acesse: 

http://www.ysoldacabral.prosaeverso.net
Ysolda Cabral
Enviado por Ysolda Cabral em 21/08/2015
Alterado em 22/08/2015

Música: The Pianist schoubert - Desconhecido

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras