Ysolda Cabral em Prosa e Versos

Uma pessoa que chora e ri de alegria, tristeza ou saudade, sem nenhum pudor...

Textos

guia-fio-de-contas-verde-e-branca-umband



VINÍCIUS E O SEU COLAR DE CONTAS
Ysolda Cabral


 
 
 
As coisas não andavam nada boas para Vinicius.  Mais não andavam boas mesmo! Também, quem mandou ir conhecer a Bahia de Todos os Santos, logo no feriado de sete de setembro! 

Namorada nova e coisa e tal... Mal chega à cidade de São Salvador, uma cigana lhe aborda, digo, uma baiana. Ou seria uma cigana baiana? Ou, ainda, uma baiana cigana? - Ah, sei não!... Que confusão!

O que sei é que ele retornou com um colar de contas, verde e branco, pendurado no pescoço, para sua proteção. Mas sem patuá! Contudo, disse não ter desembolsado um só tostão! Talvez, pelos seus belos olhos azuis de encantar, a profetisa tenha desistido de lhe cobrar alguma coisa - quem vai saber? 

O que ela lhe disse, ninguém sabe. Ele jura, de pés juntos, que a adivinhante não falou nada, a não ser que usasse o colar, para sempre. Assim, estaria livre de todos os infortúnios que a vida cismasse lhe proporcionar.

Ao retornar da linda Salvador, santificado e protegido pelo Senhor do Bom Fim, deslumbrado com o Pelourinho, com a Lagoa do Abaeté, e energizado pelo Mar de Itapoã;  tendo passado longe dos abadás do Carlinhos Brown, da Ivete Sangalo e companhia limitada, mas se esbaldado no afoxé, do cantor poeta, Saulo, baiano de coração, aqui chegou um touro ,de tão fortalecido, com a sua bela namorada a tira-colo.

Tudo ia muito bem até que  as coisas começaram a ficar meio esquisitas...

- Ô Vinícius! - alguém chamou. Ele escutou, nitidamente. Correu para a porta para ver quem lhe chamara: não havia ninguém! Ele se arrepiou dos pés à cabeça. Com certeza, era a morte! Sua avó sempre dizia que quando isso acontecia era ela, a ''maledita'', querendo levar a pessoa, a qualquer custo. Porém, se não fosse atendida, iria bater em outra porta. Benzeu-se, mais que depressa, e, agarrando o colar com toda força e fé, rezou para que ela se escafedesse dali, o mais depressa possível.

Tudo parecia normal, apaziguado, com seu "dia D" adiado, e já respirava aliviado quando alguém, ao lhe flagrar roendo as unhas, lhe disse estar cheio de lombrigas.  – Que maldade!

Vinícius já começava a desconfiar que o colar da baiana cigana, ou da cigana baiana, na verdade era pra ferrar com a sua vida.

Pensando em voltar à Bahia, com o intuito de acertar as contas com a dita cuja, tirou a carteira do bolso e quase chorou ao ver o seu parco numerário, que se restringia a poucas moedas. O choro lhe veio aos belos olhos e ele só não chorou porque lembrou que o final do mês estava  próximo, ocasião em que sairia da  penúria.

Respirando sossego, levantou a cabeça e sorriu satisfeito, acariciando o benfazejo colar, quando deu de cara com o chefe do setor de pessoal da empresa onde presta serviços, informando que os salários, por motivos técnicos, não iriam sair no final do mês, como de costume.

Foi a gota d’agua!

Vinicius se levantou, vermelho de raiva, pegou o colar e o rompeu com tanta raiva  que voou contas para todos dos lados!

Juro que não é conto, é a mais pura verdade, que invento neste instante.
 
**********
 
Praia de Candeias-PE
Em 25.09.2015
6ª.Feira

Para ouvir a música, acesse:

http://www.ysoldacabral.prosaeverso.net
 
Ysolda Cabral
Enviado por Ysolda Cabral em 25/09/2015
Alterado em 25/09/2015

Música: CLARA NUNES ~ O QUE É QUE A BAIANA TEM - Desconhecido

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras