Ysolda Cabral em Prosa e Versos

Uma pessoa que chora e ri de alegria, tristeza ou saudade, sem nenhum pudor...

Textos

relogio-ponto-bio-ampliado.jpg
 

REGISTRO DE UM TRAJETO
Ysolda Cabral
 

 
Finalmente o relógio marca quatorze horas! Registro o ponto e saio do trabalho excessivamente cansada.  Nada me ocorre para uma sexta-feira à tarde a não ser a vontade de chegar logo em casa para me livrar dos saltos, das roupas suadas e me colocar debaixo de uma ducha fria, por tempo indeterminado. A semana foi difícil e o calor está insuportável.

Dirijo-me à parada de ônibus. O meu carro está outra vez na oficina e o taxi hoje está fora de cogitação. Fico ali sem pensar em nada, apenas olhando o calor de mais de 30 graus subindo do asfalto, como se viesse do próprio inferno a tirar o ar que respiro e entorpecendo a minha mente, enquanto meus pés reclamam o peso excessivo que sustentam.

Finalmente o ônibus chega e dou graças por encontrar um assento desocupado à direita do motorista, - lado sem Sol - e dou graças, principalmente, por conseguir chegar até ele sem levar um tremendo tombo - o motorista guia usando o volante e os pedais para descontar sua raiva nos passageiros. - Sabe-se lá qual a razão!  Isso é tão comum por aqui!

Enfim, estou sentada e quando começo a me sentir um pouco melhor, percebo que o passageiro ao meu lado fede que nem gambá. – O final de semana começa bem!...

- Calma, Ysolda! Prende a respiração e aguenta firme! Recomenda-me os meus pés calçados, cansados, suados, mas sem chulé!  Olho para o lado, de soslaio, e me deparo com um rapaz até bonito, de uns 30 anos, no máximo, vestindo um jeans moderno - todo rasgado – a ler um livro com cara de intelectual, porém sua leitura é supersônica. Ele termina a página da esquerda do livro e ao invés de ir para a da direita, ele vira a página para a seguinte de pelo menos três ou quatro à frente e é assim que vai lendo por todo o trajeto. - Fico impressionada e me pergunto se ele leu o "Apenas Poesia" daquele jeito e sorrio do pensamento inusitado. - Quem leu aquilo? Só eu que o escreveu sem saber a razão de ter escrito e alguns poucos familiares...

Concentro-me na tarefa de respirar apenas quando o ônibus diminui a velocidade ou para, pois do contrário o Vento faz questão de ventilar todo o mau cheiro do “intelectual” pra cima de mim. - Até parece vingança, propósito!  Não fiz nada com o Vento! Muito pelo contrário. - Que coisa!

Finalmente, chega minha parada e desço aliviada por poder respirar normalmente e sem sentir cheiro ruim.

Ah, pois não é que estão queimando lixo nas redondezas!...

Socorro! Preciso ir embora daqui!
 
**********

Praia de Candeias-PE
Diário de sexta-feira
11.03.2016

Apenas Ysolda
Ysolda Cabral
Enviado por Ysolda Cabral em 12/03/2016
Alterado em 12/03/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras