Ysolda Cabral em Prosa e Versos

Uma pessoa que chora e ri de alegria, tristeza ou saudade, sem nenhum pudor...

Textos

10402983_581435435355631_624339952279778

Purê pelas lentes de Yauanna Cavalcanti


PURÊ E A EUTANÁSIA DO MEU SMARTPHONE
Ysolda Cabral
 

 
 
Mas, enfim, encontrei uma pessoa totalmente feliz. - Que coisa boa! Foi assim: O meu Smartphone a partir do primeiro dia que comprei começou a dar problema e mesmo problemático,  com ele convivi um tempão, sempre culpando minha operadora por todos os problemas, até que eles aumentaram e o cel virou inferno. Não servia nem para a insignificante função de mero telefone!
  
Pois bem; diante da atual conjuntura que vive a maior parte do povo brasileiro, onde me incluo inteirinha nela, fiquei sem saber a melhor maneira de resolver a questão. Sem comunicação é que eu não podia ficar...

A primeira providência que tomei foi excluir todas as fotos, vídeos, (que dó),  mensagens, aplicativos de sua memória e mesmo assim, ele pouco me servia.  Fui, então, a uma loja especializada em Smarts. Lá, me disseram se tratar da bateria e me ofereceram outra. ‘’Comprei-a-á!''’’ Aí, aproveitei para mudar a película e a capinha de proteção, pagando por tudo a bagatela de R$ 210,00. – F a l i !!!!

Infelizmente, mesmo com todo esse investimento, o dito cujo continuou dando muito pouco sinal de vida. Aqui e acolá eu fazia uma ligação, recebia outra e mal começava a falar, ele entrava no coma, invariavelmente.

Resolvi recorrer aos geniais e competentes técnicos que atuam em lojas, no centro da cidade, bem ao lado do Camelódromo, na Av. Dantas Barreto, e foi ali que conheci o Purê – não sei se sócio ou funcionário da ''Loja Thiago'', mas um grande e inesquecível Purê de felicidade genuína.

Com muita alegria, gentileza e disposição ele me atendeu. Perguntei-lhe quanto seria para resolver o meu problema e quando estaria pronto. Ele respondeu que me custaria, apenas, R$ 40,00 e a entrega seria, em no máximo,15 minutinhos. - Fechei na hora!

Gentilmente me ofereceu um banquinho, na calçada, e ali fiquei a me deliciar com uma coca-cola zero, bem gelada (meu vício) enquanto ele fazia o seu ofício, assoviando que nem passarinho.

Como eu fiquei contente e feliz da vida, sentada no banquinho na calçada, vendo o burburinho do vai e vem do povo, em pleno sábado de manhã, lembrando minha Caruaru querida, a sua feira, a sua gente alegre e hospitaleira em companhia da minha amada e bela filha, Yauanna, que se divertia com a minha identificação autêntica e espontânea com as coisas simples da vida.

Depois de algum tempo, não muito, porém bem mais de 15 "minutinhos", o competente Purê, parou de assobiar e veio até mim e falou sorrindo de orelha a orelha: "Moça, isso aqui não presta mais para nada! Jogue fora e compre outro! A boa notícia é que, pelo o meu serviço de assistência terminal a ele, você não precisa pagar nada de nada. Tá tudo certo!"

Não sei se pelo "moça" ou se pela coragem e bondade dele em fazer, gratuitamente, a eutanásia smartphoniana; senti-me grata e muito aliviada por ele ter me livrado daquela coisa.

Não foi pouco alívio, não! Foi muito mesmo. Até pedi para Yauanna fotografar o Purê, para esta crônica que já se fazia escrita na minha cabeça!

Agora estou na bancarrota total: fui ao Shopping, comprei um novo Smart e que Deus me acuda!
 
**********
 
Praia de Candeias-PE
Em 30.03.2016
Encerrando março com  humor
Apenas Ysolda
Ysolda Cabral
Enviado por Ysolda Cabral em 30/03/2016
Alterado em 30/03/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras