Ysolda Cabral em Prosa e Versos

Uma pessoa que chora e ri de alegria, tristeza ou saudade, sem nenhum pudor...

Textos

12924538_583137768518731_939774878118654

( Imagem Google editada por Ysolda)


RICARDO, UM COLEGA CURIOSO
Ysolda Cabral
 
 
 
Pelo semblante sério, compenetrado e postura de grande filósofo, a gente até pensa que ele não está nem aí para nada. - Quase nem fala! Ledo engano! Está ligado em tudo e não deixa passar nada. Adepto de sua própria organização, ficou desnorteado ao ter que dividir a sua mesa de trabalho com uma colega. Contudo, deu seu jeito! E, com menos do espaço a que tem direito, vem trabalhando diariamente com certa dificuldade, posto que a sua “pareia” se espalha por demais.

Assim é o Ricardo, um curioso e querido colega de trabalho que desperta, nas colegas, o desejo de vê-lo casado, para ser ainda mais feliz. Já os colegas, casados, também torcem, todavia por invejarem a sua condição de solteiro convicto. E nessa peleja vamos levando a vida no ambiente laboral, com muito trabalho, de maneira leve e divertida, até porque se fosse o contrário, ninguém suportaria tanta pressão imposta pelo andar do Tempo.
 
Entretanto, quando alguém precisa dos préstimos do nosso "filósofo", invariavelmente ele diz um sonoro não e sem nenhuma contemplação. - É um desgosto geral!
 
Para tentar minimizar um pouco esse desgosto, principalmente nas meninas, Ricardo resolveu ser cavalheiro, protetor, tipo guarda-costa mesmo com uma delas que, após o término do expediente, precisava ir ao Banco.

- Afinal, as ruas são sempre perigosas e não custava nada, pensou... 
 
E lá se foram andando, ombro a ombro, rua afora. Ele, como sempre calado. Ela falando pelos cotovelos. No final da rua, eis que; ela resolve parar e pedir a opinião do colega que, tão generosamente, lhe acompanhava. Pasma percebeu que nem sinal dele existia! Nem ao seu lado e nem em lado algum. Ele havia simplesmente sumido, evaporado!...
 
No dia seguinte lhe perguntei como havia sido a ida ao Banco. Ela, triste, me contou o episódio, olhando bem chateada para Ricardo que, prontamente, se dirigindo apenas à minha pessoa falou:
 
- ''Ysolda, ela foi daqui até o final da rua contando e recontando a mesma história! Quem aguenta uma coisa dessas?! Aí, fui embora, e ela só notou quando nem mais sinal de mim existia por toda a redondeza?!
 
- Quem mais deveria estar chateado: eu ou ela? ''

 
**********

Praia de Candeias-PE
Em relato de vida real
02.03.2016

Apenas Ysolda 
 
 
 
PS.: Todas as minhas crônicas são de fatos da vida real, vivenciados por mim, de alguma forma. E, nada publico sem autorização.
 
Ysolda Cabral
Enviado por Ysolda Cabral em 02/04/2016
Alterado em 02/04/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras