Ysolda Cabral em Prosa e Versos

Uma pessoa que chora e ri de alegria, tristeza ou saudade, sem nenhum pudor...

Textos

hqdefault.jpg

 
''AH, SE EU TE PEGO!''
Ysolda Cabral

 

Gostava do Jaboatão dos Guararapes posto que, ele tinha certo jeito de Caruaru, porém com um diferencial: o Mar. O Mar de Candeias!... Até a feira, em Prazeres, que conheci, ainda solteira, morando com meus pais, em Boa Viagem, no Recife, parecia com a da minha terra natal...

Criei minha filha, recifense, em Candeias. Aqui ela cresceu brincando de amarelinha, de esconde-esconde, e de todas as brincadeiras que brinquei quando criança e que hoje quase nenhuma criança brinca. – Já nascem conectadas com a Internet!

Mas, enfim, gostava do Jaboatão, mas precisamente de Candeias…. Agora não gosto! O Mar, cada vez mais poluído, avança, sem contemplação, para cima dos seus algozes e apesar de me entristecer, compreendo suas razões e não o critico.

Acabaram com a feira, tentando melhorá-la – isso lá e cá. - Uma tristeza só! Também, a maioria das pessoas só vai aos supermecados!

A tranquilidade já não lembra a de cidade do interior, muito menos, a de minha cidade, que também cresceu a ponto de não mais conhecê-la. - Outro dia, ao ver uma foto aérea de Caruaru, fiquei tentando descobrir a rua onde ainda temos uma casa e a sua localização foi difícil.

Conclusão: minhas raízes não encontram mais lugar!….

Com esse sentimento, fui ontem me deitar agradecendo a Deus por mais um dia e, ao mesmo tempo, implorando a Ele uma noite e madrugada de sono bom para mim, para os passarinhos e para os pombos que adoram o parapeito da minha janela. – Gosto da companhia deles, mesmo quando me acordam antes do meu sono completar o seu tempo, e fico torcendo para que, o da minha filha consiga ser completo. – De olheiras basta eu! Essas que ninguém vê, e se vê não estou nem aí!

Contudo, ontem, creio que pela saudade que eu sentia da minha Caruaru querida, principalmente nesta época do ano, ou da minha Candeias, de quando aqui cheguei, uma nova companhia resolveu me aparecer, se aboletando, sem ser convidada, em nosso parapeito...

Falo de um grilo! Um grilo metido a galante que, pensando ser um extraordinário seresteiro trovador, todo emproado, resolveu cantar a noite inteira, entrando pela madrugada e se achando o máximo!

- Enquanto eu... Ah, euzinha aqui?!
  Nutria por ele os piores sentimentos!
– Ah, grilinho, se eu te pego!…
 
**********
 
Praia de Candeias-PE
No amanhecer de mais um dia
02.06.2016

 
Minhas páginas: 
 
Ysolda Cabral
Enviado por Ysolda Cabral em 02/06/2016
Alterado em 02/06/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras