Ysolda Cabral em Prosa e Versos

Uma pessoa que chora e ri de alegria, tristeza ou saudade, sem nenhum pudor...

Textos

Resultado de imagem para equipamento biométrico
 

DIGITAL - SEM RECONHECIMENTO 
Ysolda Cabral 



Para dar por concluído o meu check-up de saúde anual, que me manteve ocupada, estressada e preocupada nos últimos três meses, precisava ir ao oculista. Marquei para mim e para minha filha e fomos juntas à clínica/hospital oftalmológica. Como o atendimento é por ordem de chegada, sem conseguir vaga para estacionar, pedi à minha filha que fosse na frente, para anunciar nossa chegada, enquanto eu dava um jeito de estacionar pelas imediações. Consegui uma vaga um pouco distante da clínica e precisei andar um bom pedaço de caminho de paralelepípedos irregulares, com sapatos de salto alto nos pés desde as seis horas da manhã.

Cansada e esbaforida, sonhando me sentar e matar a sede, cheguei para a consulta. Dirigi-me à recepção, entreguei minha identidade e o cartão do convênio à simpática recepcionista achando estranho não encontrar minha filha ali. A recepcionista então me disse que ela se encontrava no primeiro andar, a espera de fazer exames preliminares, à consulta, e que eu me dirigisse para lá, também, para a mesma finalidade. O elevador demorou, então, reuni as últimas forças e fui pelas escadas. Tão logo realizamos os exames, fomos mandadas de volta ao térreo, onde deveríamos aguardar as consultas.

- Nossa Senhora, até que enfim eu iria poder sentar, tomar um copo d'agua, descansar um pouco... - Ledo engano! Mal sentamos a recepcionista nos chamou, para colocar a digital no equipamento de não sei que nome, para liberação das nossas consultas e dos exames, bem como, assinarmos as respectivas requisições ocasião em que, seriam devolvidos os nossos documentos em poder da Recepção desde que ali chegamos.

Yauanna foi primeiro e logo em seguida me chamaram. Entretanto, quando fui fazer a minha identificação, através da impressão digital, o equipamento deu um ''piti'' e não reconheceu de jeito algum. 

- Coloque o dedo novamente,minha senhora! Pediu-me a recepcionista atenciosa, e eu  colocava e... NADA!
- A senhora já teve este tipo de problema com a sua digital? 
- Não, pelo menos até ontem! Mas, como tudo na vida muda num piscar... Respondi-lhe, pensando como seria bom me livrar dos malditos sapatos.
- Passe um pouco de álcool gel no seu indicador, limpe bem e depois limpe o equipamento para ver se funciona, enquanto eu ligo para o plano de saúde, para pegar a autorização, caso sua digital não seja mesmo reconhecida. 
- OK! Respondi-lhe de pronto.
Lavei as mãos com o álcool, as enxuguei com o papel toalha e limpei o equipamento, com esmero, e nada dela conseguir uma linha para falar com o Plano de saúde.
- Limpou bem?
- Limpei sim. 
- Vamos ver?
- Vamos! Respondi-lhe esperançosa, colocando o dedo e nada do equipamento reconhecer a minha digital. A questão era pessoal! Cisma mesmo!  Fazer o quê? -  Pensei.  
- Passe o dedo nos cabelos, às vezes dá certo! Pediu-me ela. Achei esquisito, mas passei o dedo e... NADA! Já estava com o dedo vermelho de tanto limpar.
- Bem, vamos ao primeiro andar para ver se o equipamento de lá reconhece a sua digital! 
- Tudo bem. Vamos lá! Concordei muito pacientemente.
Dirigimo-nos ao elevador, mas como estava preso no quarto andar, lá fomos nós pelas escadas, eu, mais uma vez.
- Ai meus pés! Ai minhas pernas! Preciso me sentar!  Pensei, me controlando para não gritar.

Chegamos à Recepção do primeiro andar, e, depois de tudo explicado, ajustado para minha digital ser coletada ali, coloquei o dedo e... NADA! 
- Limpa aí! Disse alguém.
E começou tudo outra vez: o gel, o papel toalha, os banhos de limpeza e até o dedo no cabelo e... NADA.
- Bem, vamos voltar lá para o térreo! 
- Vamos!  
Eu já me sentia anestesiada pelo cansaço e me deixava levar para lá e para cá sem nenhuma objeção. 

No térreo, outra vez, minha filha correu ao nosso encontro, preocupada com o estado deplorável em que eu me encontrava; perguntou se finalmente a digital havia sido reconhecida e eu lhe respondi-lhe com a cabeça que não. - E eu podia falar! 

Pelo visto a recepcionista, também, já estava no seu limite e resolveu pedir a uma colega para tentar fazer a autorização da minha consulta e dos meus exames, os quais eu já havia realizado, diga-se de passagem.

- A senhora tem certeza de que nunca teve problema com a sua digital? Perguntou a colega recepcionista da recepcionista que antes me atendia e quem respondeu foi a minha filha, pois eu não tinha mais condições. - Eu precisava de uma cadeira será que ninguém percebia?!

Então, a recepcionista colega, pegou meus documentos da mão da que desistia de mim e se dispôs a tentar fazer o equipamento reconhecer minha digital, a qualquer custo, quando, pasma, percebeu que a documentação que tinha em mãos, não era a minha e sim a de minha filha.

Não sei se tive vontade de rir ou de chorar. Eu só sei que  dei graças a Deus por poder finalmente me sentar.

Mal sentei, chegou a nossa vez e tive que me levantar para a consulta.
O doutor, nosso amigo e um dos proprietários da clínica/hospital, achou estranho eu me jogar na primeira cadeira do seu consultório sem, sequer, lhe cumprimentar.  Contudo, nada lhe disse.

- Ah, se ele soubesse!...   
- Não sei a razão de coisas assim só acontecerem comigo...



 
Praia de Candeias-PE
Conjecturando abobrinhas de ontem
03.09.2016
Apenas Ysolda - IV 

http://fugindodocontexto.blogspot.com.br/
Ysolda Cabral
Enviado por Ysolda Cabral em 03/09/2016
Alterado em 03/09/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras