Ysolda Cabral em Prosa e Versos

Uma pessoa que chora e ri de alegria, tristeza ou saudade, sem nenhum pudor...

Textos

Resultado de imagem para velhas senhoras fofoqueiras na praça


''Eu não sei não!  Eu só sei que foi assim. ''
Ysolda Cabral
 
 
 
A frase que dá início a esta minha crônica e a intitula, me foi dita por uma colega de trabalho. - Só não sei se é de autoria dela. Mas o fato é que fiquei com a frase na cabeça por vários dias. Hoje, resolvi destrinchar o mistério:

- ''Eu não sei não!  Eu só sei que foi assim. '' E é assim que muitas vezes contribuímos na propagação de notícias infundadas, ou injustas, mesmo que sejam somente para fazerem rir. - Senão, vejamos:

Circulou, esta semana, pelo Whatsapp, uma oferta de ''câmara digital'', à moda antiga. (Veja similar na foto acima.) - Compartilhei na hora! Compartilhei em reconhecimento aos bons serviços que elas sempre nos prestaram até os anos 70, e que ainda prestam, com eficiência e coragem principalmente nas cidades do interior e em alguns bairros mais populares das grandes cidades.

Concordando com o meu pensamento, e /ou sentimento, logo um amigo se interessou. Entretanto, sabendo como as coisas funcionam neste mundo de meu Deus, me perguntou se às “câmaras” tinham garantia e assistência técnica...

- Eu não sei não, meu amado amigo, mas acho que todas deveriam ter sim! Entretanto, muitas estão esquecidas e jogadas num canto qualquer, precisando de cuidados.

Se você tem uma, cuide bem dela e preste bem atenção nas fotografias que tiraram na vida útil que tiveram, e,  quem sabe,  ainda não venha a servir nesses tempos de desgoverno e perspectivas de eleição. 
 
Bom dia e ótimo domingo para todos!


 
**********
 
Praia de Candeias-PE 
25.09.2016
Apenas Ysolda 

**********


 
 
25/09/2016 11:47 - oklima
''Eu não sei não'', minha amada musa, mas se fosse nos tempos de agora, antes de registrarem a primeira cena elas estariam despojadas dos brincos, dos colares, dos óculos, dos chapéus, dos sapatos e das luvas. Cameraman de há muito, atualizei-me: passei a ''brechar'' através de portas e janelas ou vidros fumês. Quanto à`tua crônica, ''eu não sei não!'' Tamanha inspiração para. de um simples chavão, desenvolver um tema de alcance social tão profundo é prova cabal da tua profícua potencialidade poética! Beijando-te abraços e te abraçando beijos, Odir.
Ysolda Cabral
Enviado por Ysolda Cabral em 25/09/2016
Alterado em 14/10/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras