Ysolda Cabral em Prosa e Versos

Uma pessoa que chora e ri de alegria, tristeza ou saudade, sem nenhum pudor...

Textos

14993370_618022698322746_628836142567477

Imagem  autor desconhecido.

 
NÃO VI A SUPER LUA
Ysolda Cabral
 
 
Infelizmente, por capricho, ou castigo, não quis a Mãe Natureza que a Super Lua, aparecesse nos Céus de minha Candeias, apesar do dia ter sido um dos mais belos, ensolarados e sem nuvens, já vistos por aqui e por Boa Viagem, onde estive nas manhãs de ontem e hoje.

Frustrei-me sobremaneira, confesso! A sensação que senti foi de ser coisa pessoal, - entre mim e Ela...

Mesmo consciente do merecimento, achei que, assim que o Sol desse espaço, um milagre aconteceria e Ela, como Mãe, declinaria da decisão de me punir de forma tão medonha.

Infelizmente, a Mãe Natureza não declinou de sua decisão e o meu castigo veio de maneira trágica e definitiva...

O Sol deu espaço, mas as nuvens se fecharam e esconderam de mim a Super Lua, que jamais verei, por mais que ainda tenha saldo de vida...

O que mais me entristece e castiga é o fato de que, por minha causa, muita  gente teve o mesmo castigo...     
 
*********

ATENÇÃO! 

 
Li um poema da minha linda e dileta  amiga, Betina Marcondes, poetisa paranaense, de grandeza ímpar, e, achei tão lindo, mais tão lindo que, resolvi  guardá-lo para mim bem aqui, onde o  meu '' Tambor do Encantado'' retuma com amor sempre...  

Serena

Ambígua sensação 
Invade alma e sentimentos
O amor floresce
Na calada da noite
Oh...Lua!
Resguardou sua presença 
Sob a sombra da madrugada
Só o amor 
De soslaio a espreitava.


Betina Marcondes



**********

 
Praia de Candeias-PE
14.11.2016
Apenas Ysolda

Uma pessoa que chora e ri de alegria,
tristeza,  ou saudade, sem pudor.


http://fugindodocontexto.blogspot.com.br/


Resultado de imagem para Lua sob nuvens

(Imagem do Google)


LUA, LUAR!
Odir Milanez



Lua, luar, luzir dos namorados
que buscam para um beijo inspiração,
cenário dos senões apaixonados,
curandeira da dor do coração!

Altar-mor dos casais enamorados,
musicista do amor, quando canção,
ó lua dos amantes deserdados,
clareia em mim a crença em teu clarão!

O teu brilho, que a todo amor assiste,
assiste-me de forma diferente:
de clarão apagado, tardo e triste!

Porque me faltas? Fazes-te presente
nos beijos virtuais, que ao longe viste,
mas não me vês na luz de um ser somente!



 
JPessoa/PB
16.11.2016
oklima
 
Sou somente um escriba
que escuta a voz do vento
e o versa em versos de amor...
 
odirmilanez.blogspot.com
 
Injustiçado, junto à janela da minha musa-sorriso, Ysolda Cabral.


Para escutar a canção de fundo, acesse: 


www.ysoldacabral.prosaeverso.net

 
Ysolda Cabral
Enviado por Ysolda Cabral em 15/11/2016
Alterado em 16/11/2016

Música: VIOLINO TRISTE E PIANO - INSTRUMENTAL

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras