Ysolda Cabral em Prosa e Versos

Uma pessoa que chora e ri de alegria, tristeza ou saudade, sem nenhum pudor...

Textos

Resultado de imagem para Av Agamenon magalhaes em recife deserta

Imagem do Google 


NUM DIA DE PROTESTO - O DESERTO DAS RUAS

Ysolda Cabral

 


 
Tenho medo de ruas desertas... Parar num semáforo é um risco enorme! Atrás de um poste, de uma árvore, do carro ao lado, ou numa moto pode estar escondida a morte. O pesadelo é real e é preciso estar atento. Mas, estar atento não resolve nada. Segurança é coisa que não se sente e perspectivas de coisas boas só existem no âmbito da esperança que é característica forte do nosso povo.

No dia de ontem vivi tudo isso e mais um pouco. Deve ser a idade que me deixa covarde, ou talvez o coração já não suporte tantos baixos porque altos só nos preços... Daqui a pouco nos limitaremos ao básico do básico do limite de tudo.

- Seria o fim próximo? Não sei. O que sei foi que, sair ontem para trabalhar foi bem complicado. Difícil mesmo!   

Saí por volta das 07 da manhã, muito atrasada para um dia normal, contudo o dia não era normal. A ordem, de não sei quem, era para o país parar e protestar veementemente e a todo custo, e a qualquer preço, contra os desmandos e pretensões de novos mandos do governo desgoverno, para cumprimento do povo, já tão sacrificado e sofrido. E como se não bastasse no meio de tudo isso, muitas pedras no caminho – os vândalos, os desprovidos de qualquer sentimento que, diante de um momento assim, não relutam em praticar maldade em abundância e indiscriminadamente.

As ruas e avenidas estavam desertas, poucos veículos circulando. - Que coisa assustadora!  Para se ter uma idéia, um percurso que faço normalmente em uma hora e meia, fiz em vinte cinco minutos e rigorosamente dentro da velocidade permitida, apesar do medo. - Foi estranho e muito, muito assustador!

Logo estava no trabalho, porém não me sentia segura e nem relaxada. Só pensava em como seria à volta para casa, onde deixei minha filha dormindo sossegada e sem saber do deserto das ruas... – E se eu não conseguisse voltar?

Lá pelas nove, os colegas que iam chegando para trabalhar, mostravam fotos tiradas de alguns pontos da Região Metropolitana do Recife, onde o deserto estava preenchido de terror, com queima de pneus, gritos de ordem, ameaças a quem quisesse prosseguir.

E, antes que tudo piorasse, aceitando a sugestão de um superior hierárquico, peguei as chaves do carro e corri para casa.

A volta não foi diferente da ida, mas cheguei rápido e sem atropelos. Agradeci a Deus e chorei com saudade de um tempo que a gente também achava ruim, mas, decididamente, não era tão ruim e nem tão assustador assim.  

 
**********
 
Praia de Candeias – PE.
Em reflexão para mudanças
26.11.2016
Apenas Ysolda
Uma pessoa que chora e ri de alegria,
Tristeza, ou saudade, sem pudor.


www.fugindodocontexto.blogspot.com.br

Para  ler escutando a música de fundo, acesse:

www.ysoldacabral.prosaeverso.net
Ysolda Cabral
Enviado por Ysolda Cabral em 26/11/2016

Música: Música dramática e de suspense - Requiem For A Dream - Versão alternativa

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras