Ysolda Cabral em Prosa e Versos

Uma pessoa que chora e ri de alegria, tristeza ou saudade, sem nenhum pudor...

Textos

A imagem pode conter: nuvem, céu, oceano, atividades ao ar livre, natureza e água



UM IMENSO AMOR
Ysolda Cabral
 
 
Saí de casa meio atrasada. A sorte é que o trânsito está mais livre, em função das férias da garotada. E, apesar da pressa, alguma coisa me dizia que hoje seria um dia especial, apesar de logo cedo ter tido notícias que me fizeram entristecer, e questionar um monte de valores, esquecidos pela maioria das pessoas do agora.

Entretanto, sem querer alimentar e/ou refletir sobre tristezas, decepções e outras bobagens mais, que não levam a nada; liguei o som do carro e comecei a cantar bem alto. Já estava no limite da velocidade permitida, quando, rapidamente, cheguei à curva da Av. Bernardo Vieira de Melo, e precisei reduzir a velocidade, drasticamente, para poder ter acesso à Av. Beira Mar, em Piedade, e seguir viagem.

E, lá estava o diferencial do meu dia: o mais lindo Céu de Carneirinhos que há muito, muito Tempo eu não via. 

Senti tanta emoção que, de imediato, procurei um lugar para estacionar, sem me importar com o relógio, que nessas horas faz questão de conspirar contra,  e estacionei para apreciar o pastoreio, aproveitando para fotografá-lo. (Vide foto ilustração, acima)


Ah, quando foi que eu vi tantos carneirinhos pastarem no Céu de maneira tão bela e tão nítida assim?! Faz tempo! Muito tempo mesmo.

Lembro da primeira vez que isso aconteceu: eu contava a idade de cinco anos, quando mamãe me chamou para ver os  "carneirinhos no Céu pastando". Ficamos deitadas um bom tempo, no jardim de nossa casa, lá no ''País de Caruaru'. Nunca esqueci aquela tarde!... 

Lembro, ainda, que, depois dos carneirinhos se fartarem e irem embora, grandes nuvens apareceram e começaram a bailar, e a cada novo bailado, no ‘‘Palco do Céu’’, formavam belas, diferentes e engraçadas imagens, somente para nos divertir.

Creio ter sido naquele momento que mamãe aflorou em mim a poesia que corria em minhas veias, e nunca mais me libertei.

- Ah, que saudades de mamãe, do seu lindo sorriso e do seu imenso amor!

 
**********

Praia de Candeias-PE
18.01.2017
Apenas Ysolda
Uma pessoa que chora e ri de alegria,
tristeza, ou saudade sem pudor.

www.fugindodocontexto.blogspot.com.br
Ysolda Cabral
Enviado por Ysolda Cabral em 18/01/2017
Alterado em 18/01/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras