Ysolda Cabral em Prosa e Versos

Uma pessoa que chora e ri de alegria, tristeza ou saudade, sem nenhum pudor...

Textos

A imagem pode conter: céu, nuvem, árvore e atividades ao ar livre
 
A LUZ DO AMOR
Ysolda Cabral

 
As cores azul, verde e amarelo predominam no dia lá fora, comigo sob as luzes fluorescentes destoantes. – Coisa mais sem lógica!  

Penso em escrever e começo a bocejar. Agora estou assim; toda vez que penso colocar meus pensamentos no papel, ou na tela do computador, isso acontece. - Parece mais mandinga, feitiço para liquidar com aquilo que ainda chamo de minha poesia!

Levanto-me e resolvo ir almoçar fora. Preciso sentir na pele toda a luz e o calor que vejo daqui, através das persianas da janela que mais parecem grades. – É que, por vezes, sou passarinho e, decididamente, não posso me sentir presa. Então, com o intuito de acrescentar o cinza da solidão às cores do dia, saio para almoçar a passos lentos.

Procuro pelas ruas e avenidas algum casal enamorado, afinal hoje é 12 de junho, dia em que, além de outras comemorações, se comemora o dia dos namorados. - Não vi nenhum, ou, pelo menos; nenhum que parecesse namorar.

Continuo a caminhada até o restaurante, quando resolvo olhar para o Céu e, surpresa, vejo vários pássaros voando em duplas, (casais com certeza), bem sobre a minha cabeça. - Sorrio contente da vida e sigo.

Mal chego ao “Tachos e Panelas”, entra um casal, de idade já um tanto avançada, perguntando onde estavam as velas. A Sra. Cristina Santos, proprietária do restaurante, ruborizada, achando estar sendo cobrada, e/ou criticada pelo esquecimento, pela falha; mais que depressa argumenta que luz de velas só no jantar. O casal sorri, em cumplicidade, e, de mãos dadas, vai almoçar.

Fico a olhar para eles meio de soslaio e penso pedir à Cristina para providenciar velas para a mesa que iriam ocupar, sem importar se é dia ou noite, almoço ou jantar. - Não peço!

Sobre o casal paira a luz de muito amor. - Para quê velas?
 
**********
 
Praia de Candeias-PE
Registrando significativos  instantes,
vivenciados no Espinheiro.
12.06.2017
Apenas Ysolda 
Uma pessoa que chora e ri
de alegria, tristeza, ou saudade, sem pudor.
www.fugindodocontexto.blogspot.com


 
Ysolda Cabral
Enviado por Ysolda Cabral em 12/06/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras