Ysolda Cabral em Prosa e Versos

Uma pessoa que chora e ri de alegria, tristeza ou saudade, sem nenhum pudor...

Textos

A imagem pode conter: 1 pessoa, chapéu, óculos de sol, sapatos e atividades ao ar livre

Clicada por minha filha Yauanna  -  Caruaru/PE - Junho/2016.


SONS DA MINHA TERRA
Ysolda Cabral 



Gosto do amanhecer de Candeias quando o canto das ondas do Mar acompanha o canto dos passarinhos. - Gosto muito! Contudo, por vezes, sinto saudades do canto do galo fazendo solo, nos concertos dos pássaros, nas madrugadas da minha Caruaru querida, no meu tempo de menina. - O galo era o meu Luciano Pavarotti preferido.   

Infelizmente, ou felizmente, a cidade cresceu tanto que ele não mais existe por lá. Deve ter batido asas para alguma chácara, sítio, fazenda... Talvez, até, gente despeitada que não canta nada, o pegou de surpresa, colocou numa panela e comeu com cachaça numa noite de São João. - Vai lá se saber que destino ele teve neste mundo de meu Deus, com tanta gente desalmada!

O fato é que, hoje, especialmente hoje, acordei com um som diferente de todos que já escutei! Não sei precisar que som era. Só sei que ele me convidava a sair da cama, rodopiando pela casa feliz que nem pião, ou bailarina. Som cheio de vida, de alegria, de suavidade impressionante! Não vinha das ondas do Mar, nem dos pássaros, nem muito menos de nenhum galo da madrugada, até porque aqui só tem um nos arredores, e ele só canta no sábado de carnaval no terreiro recifense.

- Ah, que som maravilhoso aquele que me acordou hoje! Seria algum instrumento musical? - Fiquei tentando identificar e nem vi o avanço da hora. Quando me levantei, o Sol já engatinhava pela sala. - Fiz que não vi! Deixei que ficasse engatinhando até andar e cair, mas isso só aconteceria no final da tarde.

Fui caminhar, recordando os sons de minha terra, somente para descobrir aquele que me acordara tão cedinho.  

Foi quando a Brisa, mãe do Mar, brincando com os meus cabelos cantou carinhosamente, em meu ouvido,  o seu bom dia e ele  dizia:  

 
QUERERES
Odir Milanez

 
Quisera que a poesia me animasse,
reativando a voz vinda do vento,
para que um canto novo eu te ofertasse,
liberto das prisões do pensamento!

JPessoa/PB
22.06.2017
oklima
Sou somente um escriba
que escuta a voz do vento
e o versa em versos de amor.

 
A minha musa Ysolda Cabral
 
**********

 Obrigada meu Poeta adorado! 


**********

Praia de Candeias-PE
Em 23.06.2017
Véspera de São João
Apenas Ysolda

www.fugindodocontexto,blogspot.com.br

Para escutar a canção de fundo, acesse:

www.ysoldacabral.prosaeverso.net 



 
Ysolda Cabral e Odir Milanez
Enviado por Ysolda Cabral em 23/06/2017
Alterado em 23/06/2017

Música: Zeca Baleiro - Ai que Saudade D'ocê - Zeca Baleiro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras