Ysolda Cabral em Prosa e Versos

Uma pessoa que chora e ri de alegria, tristeza ou saudade, sem nenhum pudor...

Textos


Imagem Google 
 

PLANOS DE VIAGEM 
Ysolda Cabral 

 
 
O Sol estava tão quente que chegava a tirar a beleza do dia e da gente. A sensação era desconfortante que até perdíamos a vontade de comer. Contudo, ''como saco vazio não se põe em pé'', lá fui eu avenida afora até o restaurante fazer um pequeno almoço. Aqui e acolá parava um pouco sob as Palmeiras que vi crescer, reclamando das sombras quentes que proporcionavam enquanto o semáforo não abria. - Não há nenhum pé de Vento. Elas me diziam no silêncio do seu farfalhar.

Estava suada, irritada, cansada, descomposta... - Quem gosta?! Comer assim é até pecado ou castigo, pelo qual não agradeço.

Quero ir para casa! Pensava, pensando estar gritando. No entanto, não estava e nem podia ir para casa naquele instante. Ainda tinha três horas de trabalho pela frente.

Cheguei ao restaurante e me sentei para almoçar. A comida desceu quente, amarga, apesar da consciência que estava gostosa como sempre. O líquido gelado do suco de graviola me deu certo alento. Parei de comer e me limitei a ele, o saboreando devagar, quando escutei a seguinte conversa: 

- ''Como o Recife está quente! Acho que vou viajar para o Chile.” E continuou...
- ”Na verdade, não queria viajar agora, pois acabei de chegar da Espanha. Mas, não dá para ficar aqui muito tempo não! Quente demais, barulho demais, gente demais”...

Deixei pra lá o suco, pedi a conta, peguei a bolsa, e, ao me levantar para ir embora, fui até a mesa onde as moças  conversavam e falei:

 - Que idéia ótima vocês me deram! Viajar para fugir desse calor infernal é a solução para não morrermos torrados. Viajarei no próximo final de semana. Falei alegre e decidida. 

Foi então que uma delas me perguntou: - “Vai para o Chile também?” E eu respondi: Não, não! Vou para ''São Quincas de Los Montes”. ( Era assim que meu avô, Firmino Filho, chamava São Joaquim do Monte, a cidade que escolheu para viver até o último dia de sua vida).

Acenando para elas, fui embora desejando sentir logo a Brisa daquela bela cidade envolver o meu corpo suado, deixando as moças matutando de que país seria ''São Quincas de Los Montes''.

E, imaginando o meu avô que, em tardes assim adorava ficar debaixo de uma árvore frondosa, a beira de um regato, a  ler e compor belos sonetos de amor e de saudade; rumei de volta ao trabalho quando, ao passar pelas Palmeiras, não consegui disfarçar um olhar rancoroso, desdenhoso...

– Custava farfalharem só um pouquinho?

 
**********

PraIa de Candeias-PE
17.10.2017
Apenas Ysolda 
 

 

 
Ysolda Cabral
Enviado por Ysolda Cabral em 17/10/2017
Alterado em 17/10/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras